sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

OS DRAMAS DA HUMANIDADE

"Todas as expressões de ateísmo, todas as formas existenciais de negação ou esquecimento de Deus, continuam a ser o maior drama da humanidade, que tiram todo o sentido ao Natal, que é a exultação e o grito de alegria e de esperança que brotou do reencontro do homem com Deus".
Declarações de D. José Policarpo durante a homília de Natal.

D. José policarpo esquece as guerras e o fanatismo religioso, esquece a linguagem de ódio contra os homossexuais, pior ainda esquece que todos os dias há crianças a morrer à fome. Esquece que em Portugal há gente que vive na miséria, há pessoas que trabalham mas com os seus ordenados miseráveis não conseguem ganhar para as despesas do dia a dia.
Ontem, Benazir Butho, foi assassinada por alguém que matou e morreu em nome de Deus. Hoje o Paquistão está de novo a ferro e fogo. Não esquecer que estamos a falar de uma potência nuclear.

Estes sim, sr. cardeal-patriarca, são os verdadeiros dramas da humanidade.
Posso criticar, às vezes violentamente, as políticas do Vaticano mas nunca critiquei a fé das pessoas.
Não sei se Deus existe, tenho as minhas dúvidas, mas respeito todos os crentes. Sr. cardeal tente então respeitar também quem não acredita. Os tempos da inquisição já passaram.

Mais no DN

5 comentários:

pinguim disse...

Eu ouvi a mensagem do D.José Policarpo, aos saltos, mas do que ouvi, não gostei, pois além de longa. foi sempre mais do mesmo e pareceu-me mesmo algo retrógrada, mas como não ouvi na integra, posso estar enganado.

Special K disse...

Pinguim, meu amigo, o que ouvi foi nas repostagens televisivas e li excertos na imprensa. Foi apenas mais do mesmo discurso de sempre.
Um abraço

gitas disse...

Subscrevo-te totalmente!
Beijos
gitas

Sniqper ® disse...

Que a luz da realidade ilumine esse cardeal bem como os que muito falam e nas costas nada fazem, mas enfim o patrão deles que lhes puxe as orelhas.
Um Bom 2008, amigo.
Abraço

Special K disse...

Gitas e Sniqper, bem que eles precisam que os iluminem.
Não sei a que patrão te referes, mas se for o do Vaticano, já deu. No entanto é tudo farinha do mesmo saco.
O que está acima deles é que lhes devia puxar as orelhas.
Um abraço