sexta-feira, 2 de novembro de 2007

HOMOFOBIA NO FUNERAL


Um tribunal americano condenou uma igreja batista do Kansas ao pagamento de uma multa por ter convocado uma manifestação contra homossexuais durante o funeral de um fuzileiro morto no Iraque.
Matthew Snyder, morreu no Iraque ao serviço do seu país. Imaginem a dor de um pai que ao enterrar o filho é obrigado a ouvir insultos do tipo: " Graças a Deus pelos soldados mortos", "tropa de maricas", ou o já habitual "Deus odeia homossexuais". Abalado, Albert Snyder, decidiu processar a Igreja Batista de Wetsboro, responsável pela convocação da manifestação e ganhou a acção.

O que me choca nisto tudo é que sei que os americanos, no seu forte nacionalismo, têm um profundo respeito por todos aqueles que morrem ao serviço do seu país. Quando vem um grupo de fanáticos dizer que os soldados americanos só morrem porque os EUA permitem a existência de homossexuais no país, isto é um profundo insulto e isto só torna essas pessoas iguais aos próprios fanáticos que tentam combater.

Quando segui o rasto desta notícia e encontrei esta foto no site da Globo fiquei ainda mais chocado por usarem crianças para passarem as suas mensagens de ódio.

É por estas e por outras que tenho cada vez mais aversão a tudo o que seja religião.

Site sobre Matthew Snyder

4 comentários:

Paulo disse...

As minhas reservas quanto às religiões vêm justamente por causa do motivo que invocas (e de outros). Por outro lado, não acredito que Deus (se existir e acho que quero acreditar que sim, seja lá a forma que for que ele tenha) aprove este tipo de acções e atitudes. E por estas e por outras é que eu gosto cada vez menos de americanos.

Special K disse...

Paulo:
A minha aversão não é contra os americanos em geral, é contra a mentalidade mesquinha, nacionalista, contra o extremismo religioso e contra aquela noção que eles têm de serem os patronos da liberdade e democracia no mundo.
Quanto à religião, deixei de acreditar por volta dos 12 ou 13 anos, quando comecei a perceber que o que eles pregavam era o "façam o que eu digo, não façam o que eu faço".
Um abraço

Sarracenia purpurea disse...

Sim, li esta notícia em qualquer lado e fiquei de boca aberta! Desejar a morte de uma pessoa por esta ser lésbica ou homossexual é da maior hipocrisia que já vi, é horrível!

pinguim disse...

Caro amigo
o que relatas é preverso e repugnante e demonstra como diz o Paulo, uma terrível fobia do povo e das religiões americanas contra a homossexualidade; mas não quero tomar o todo, a religião, nomeadamente a minha, que sou cristão e que acredito no Cristo puro e bom, pela parte, que são as diversas igrejas, e os seres que as formam, desde as cúpulas aos seguidores, entre as quais a minha (católica), das quais cada vez mais me distancio.