quarta-feira, 9 de abril de 2008

MADRIGAL Á CIBDÁ DE SANTIAGO


Chove en Santiago
meu doce amor.
Camelia branca do ar
brila entebrecida ô sol.

Chove en Santiago
na noite escrura.
Herbas de prata e de sono
cobren a valeira lúa.

Olla a choiva pola rúa,
laio de pedra e cristal.
Olla o vento esvaído
soma e cinza do teu mar.

Soma e cinza do teu mar
Santiago, lonxe do sol.
Agoa da mañán anterga
trema no meu corazón.

Federico Garcia Lorca
Música: "Chove en Santiago"
Luar na Lubre
"Cabo do Mundo", 1999

7 comentários:

pinguim disse...

Como este Santiago é ambíguo, não nos dizeres de Lorca, mas com a passagem dos anos...

Moi disse...

Ora para ser mais concreto... Inspirado pelas melodias galaicas, vou aceitar o repto... só poético.

Até já, K
JJ

gitas disse...

excelente post!:)
Beijos

The Unfurry Swear Bear disse...

musica espantosa, obrigado pela partilha :D

PoesiaMGD disse...

Boa ideia!
Um convite:
http://www.escritartes.com/forum/index.php?referredby=3

sp disse...

Excelente fotografia!!!
Um abraço...

Special K disse...

Pinguim, acho que não percebi bem qual a ambiguidade, estarás a pensar em Santiago de Compostela e santiago do Chile?
Um abraço.

Moi: Já vi a tua resposta ao repto, bem boa por sinal.
Um abraço.

Gitas: Obrigado, a poesia de Lorca fica tão bem com a grande música dos Luar na Lubre.
Beijos

Unfurry: A música é realmente espantosa. Eu é que agradeço pela visita e pelo comentário.
Um abraço.

Poesiamgd: Obrigado pela visita. Já passei por alguns dos teus sites, estão cheios de bela poesia. Quando puder dou um pulibho no fórum.
Beijos

SP: Obrigado mas a fotografia não é minha. Foi tirada algures da net e não sei quem é o autor.
Um abraço.