terça-feira, 7 de agosto de 2007

AS MULHERES E A PROCRIAÇÃO

Na Madeira, o cacique local continua a troçar impunemente das leis da república. No estilo trauliteiro a que os deputados do PSD-Madeira já nos habituaram , surgiu uma nova pérola:

"O aborto não será, com certeza, a primeira decisão de uma mulher porque é contra-natura. A função das mulheres é, precisamente, a da procriação" .
Rafaela Fernandes, advogada e deputada do PSD-Madeira, no parlamento madeirense a propósito da aplicação da lei da IVG na região.

Pois se a função das mulheres é a procriação porque é que esta senhora não fica em casa a coser meias e a dar à luz ninhadas de filhos? Pelo menos não tinhamos que ouvir barbaridades destas.
Será que para ela o sexo também só tem como finalidade a procriação?
Triste destino este das mulheres que não servem para mais nada.

Mal li esta notícia lembrei-me logo da grande Natália Correia e parece que não fui o único pois um deputado do PND fez questão de recordar este poema à bancada do PSD. O que também é estranho vindo de um partido ainda mais à direita do PSD.
Notícia: Diário de Notícias



Em antigas e acaloradas sessões na Assembléia da República, o deputado do CDS João Morgado dizia propósito de uma discussão sobre a lei do aborto: "O acto sexual só é justificável tendo por objectivo a procriação."
Não tardou a resposta em forma de poema da então deputada e poetisa Natália Correia:

Dedicado ao deputado João Morgado

Já que o coito - diz o Morgado
Tem como fim cristalino
Preciso e imaculado
Fazer menina e menino,
E cada vez que o varão
Sexual petisco manduca
Temos na procriação
Prova que houve truca-truca.

Sendo pai de um só rebento
Lógica é a conclusão
De que o viril instrumento
Só usou - parca ração! –
Uma vez. E se a função
Faz o órgão - diz o ditado –
Consumada essa operação
Ficou capado o Morgado.

Natália Correia

10 comentários:

RIC disse...

... Como é que este nosso país há-de algum dia medrar se parte da sua elite é estúpida, tacanha e faz muito gosto nisso mesmo?...
Para salvar a lusa espécie da extinção, eis que a mulher portuguesa deverá ser, prioritariamente, uma coelha parideira... Que tristeza! E dito por uma mulher activa na política!
Já o disse e repito-o: um dia destes, Portugal afunda-se de vez no Atlântico! Há já bestas a mais a desafiar os deuses! Cuidado!
Abraço! :-)

Que saudades da grande Natália!

Sweet Porcupine disse...

Special k,

sao poucas as pessoas que apreciam Natália Correia.... o que não +e definitivamente o meu caso!

Grande poema....grande post!
Costuma-se dizer que dizemos mal e tentamos apagar tudo aquilo de que temos medo....somos assim tão intimidadoras para os homens?

Beijinhos ouriçados

Fogo disse...

grande poema..não sou fâ de natália correia mas isso não me impede de gostar...
Não val a pena constinuar-mos a ficar espantados com estas coisas..é Portugal..não s pode esperar grande coisa..

Beijinhos quentes

Sarracenia purpurea disse...

Bem, isto vindo de uma mulher torna-se ainda mais chocante! Como é possível?? sinceramente não entendo como ainda hoje, isto acontece...
Beijos

Special K disse...

Ricardo:
O que me escandaliza é uma mulher, ainda mais advogada dizer uma barbaridade destas.
Quanto à Natalia; que falta que ela ainda faz por cá.
Um abraço.

Special K disse...

Porcupine:
Eu sou dos que apreciam a Natália, tanto como poetisa como grande mulher que foi.
As mulheres podem ser intimadoras para muitos homens porque cada vez mais estão a lutar pelos seus direitos. Agora digo-te uma coisa o pior inimigo de uma mulher é outra mulher e este caso só o vem provar.
Beijocas

Special K disse...

Olá Fogo, este país ainda tem muito que evoluir. Se esta gente ainda tem estas idéias sobre o papel das mulheres, nem quero imaginar o que pensam sobre a homossexualidade.
beijinhos

Special K disse...

Sarracenia:
O que mais me chocou foi precisamente vir de uma mulher, deputada e advogada. Coitados dos clientes que ela representa.
beijinhos

pinguim disse...

Este poema da Natália, bem ao seu geito, corrosivo, no meio da brejeirice, só mostra que para vir outra igual, infelizmente, teremos que aturar muitas ilustras deputadas madeirenses, como esta.
Porque é que o aborto não foi legalizado há umas décadas atrás, precisamente na Madeira? Ter-se-ia evitado que tivesse nascido o AJJ (até me custa pronunciar o nome de tal tipo), esse sim um autêntico aborto da Natureza.

Special K disse...

Amigo João
Está tudo dito, há certos abortos da natureza que nunca deviam ter nascido e este é certamente um deles.
Um abraço.