sexta-feira, 18 de julho de 2008

PRÉMIO SOCIALISTA DO ANO


«Não se pode ser machista e ser socialista. Não se pode ser homófobo e ser socialista. Não se pode ser racista e ser socialista...»


Pedro Zerolo, secretário de Movimentos Sociais do PSOE

11 comentários:

Arion disse...

Cá também...

Su disse...

ops ia comentar e vi ali cima o arion....es tu ..menino????
opssssss

jocas maradas

The Unfurry Swear Bear disse...

Acho que alguém tem de ter uma conversa com a líder o Partido SOCIAL democrata português...

Arion disse...

Sou, sim, Su! :))))

Luís Galego disse...

concordo em absoluto....mas tenho visto de tudo, que me parece a coerência foi expurgada de muitos dicionários...

pinguim disse...

Tenho acompanhado, desde há anos, o percursor deste jovem politico do P.S.O.E., desde que era um dos lideres de maior activismo no movimento associativo LGBT de Espanha, através da revista "ZERO", onde de quando em vez, colabora.
Foi agora "aproveitado" pelo partido de Zapatero para um importante cargo autárquico da cidade de Madrid; chegou a ser apontado como o candidato do partido à Câmara de Madrid.
É um homem que sabe o que quer e foi uma mais valia a sua presença na iniciativa da J.S., no Parlamento.

Curiosamente, Zerolo, não é espanhol de nascimento (suponho que seja venezuelano).

Abraço.

gitas disse...

Bem "dizido".lol
Beijos

Paracletus disse...

Os políticos espanhóis são mais corajosos que os nossos...

Paulo V. Pereira disse...

Já por cá não é bem assim...

Special K disse...

Arion: Cá também? Não sei se será. parece haver alguma resistência da parte mais católica do PS quanto ao debate sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Um Abraço.

Su: Um beijo marado.

Unfurry: Se fosse só com ela...
Um abraço.

Luís Galego: Podes crer que sim.
Um abraço.

Pinguim: É um grande lutador. Acho que muitas das conquistas da comunidade GLBT espanhola se devem a ele.
Um abraço.

Gitas: Beijos

Paracletus: E são mesmo. No PS o debate parece estar a ser bastante difícil apesar da forcinha da Juventude socialista.
Um abraço.

Meu caro Paulo Pereira, esperemos que um dia venha a ser.
Um abraço.

Paulo disse...

absolutamente de acordo!