sábado, 15 de março de 2008

FADO HILÁRIO


Hoje estive a ouvir o novo álbum desta senhora e lembrei-me desta velha canção do "Red and Hot Lisbon" onde ela canta em português. Dedicado a todas as minhas amigas que são fãs dela, excusado dizer que são bastantes.

Fado Hilário

A minha capa velhinha
É da cor da noite escura,
Nela quero amortalhar-me,
Quando for p'ra sepultura.

A minha capa ondulante
Feita de negro tecido,
Não é capa de estudante
É mortalha de vencido.

Ai!... Eu quero que o meu caixão
Tenha uma forma bizarra,
A forma de um coração,
Ai!... A forma de uma guitarra.

Letra e música: Augusto Hilário

5 comentários:

socrates dasilva disse...

Quando era pequeno não gostava de fado. Manias. Desde que o ouvi cantar ao vivo... até me arrepio cada vez que escuto alguns deles.
abraço

wind disse...

Não conhecia e gostei, embora não seja apreciadora de fado:)
Beijos

Special K disse...

Socrates da Silva: Eu também não, o gosto pelo fado é uma coisa que vou adquirindo aos poucos, muito lentamente, muito graças à Amalia, que cantou fados escritos por grandes poetas portugueses.
Um abraço.

Wind:
Esta canção foi cantada pela Amália mas originalmente era um fado de Coimbra, o que é completamente diferente do fado tradicional.
Bjks

pinguim disse...

O Fado Hilário é um dos exemplos mauores do fado de Coimbra e foi na voz de Alberto Ribeiro que ele mais se tornou conhecido em todo o país (penso que o cantou no filme "Capas negras").
Confesso que nunca tinha ouvido esta versão de K.D. Lang, mas gostei bastante.
Abraço.

Special K disse...

Pinguim:
Obrigado pela informação adicional.
Já agora esta versão vem no disco Red Hot + Lisbon de 1998. Esta foi uma série de discos lançada durante os anos noventa com vista a combater o flagelo da SIDA.
Podes encontrar aqui o alinhamento todo do disco:
http://en.wikipedia.org/wiki/Onda_Sonora:_Red_Hot_%2B_Lisbon

Um abraço.