terça-feira, 8 de setembro de 2009

QUEER 13


Meninos o Queer já mexe.

Este é outro dos eventos imperdíveis do mês de Setembro. Este ano o festival abre no dia 18 com um filme português; Morrer Como um Homem de João Pedro Rodrigues, e fecha no dia 26 com Where the World Mine Tom Gustafson.

Além das habituais sessões de longas, curtas e documentários, a edição deste ano repete as Noites Hard, que tiveram bastante sucesso na edição do ano passado. Destaco ainda o Espaço Memória, na Sala Buondi:
Dia 19 evoca-se o centenário do pintor Francis Bacon, com um mural colectivo que será pintado pelo público.
Dia 20: O dia de António Variações
Dia 21: Dia de poesia com o grande poeta António Botto e a presença do escritor Eduardo Pitta.
Dia 22: Dia Stonewall.
Dia 23: Dia Amália Rodrigues, com um pequeno showcase do grupo Amália Hoje.
Dia 24: Dia da queda do muro de Berlim.
Dia 25: As Nossas Divas sobre Judi Garland, com a projecção do fabuloso Feiticeiro de Oz

Queer Lisboa 13, programação


Morrer Como um Homem


A útima fita do realizador de o Fantasma e Odete conta a história de Tonia, um fulgurante ícone da noite lisboeta que, tal como Ruth Bryden, na segunda metade dos anos oitenta, em plena euforia do estrelato local, abandonou a sua identidade dupla e apropriou-se da sua “personagem artística”, iniciando uma série de intervenções de cirurgia plástica que a transformaram, socialmente, numa mulher. Tonia foi apagando progressivamente todos os vestígios da sua identidade masculina original, que para ela representava tudo o que não podia controlar: a discriminação pela sua homossexualidade, o género masculino que deplora no seu corpo, o nome da família que a rejeitou, a paternidade de um filho fruto de uma relação heterossexual adolescente.
Esta é a história de um renascimento. Tonia gera-se a si própria num sentido quase cronenberguiano: o corpo de António Cipião, a sua identidade masculina original, metamorfoseia-se no corpo de Tonia. Mas é essa também a sua tragédia. Tonia transforma a aparência sem nunca chegar a mudar de sexo. Contra a sua vontade e verdade mais urgente e imediata, fala a sua consciência mais profunda: as suas convicções religiosas não a deixam concluir a transformação. O conflito entre a esfera privada e a esfera social, da qual ela se sente excluída mas de que inevitavelmente faz parte, acaba por não ser a sua motivação determinante, mas tão só o primeiro grau da tragédia. É o seu conflito interior, agravado pelo conflito com aqueles que lhe estão mais próximos, que se vai revelar irresolúvel e irremediavelmente trágico. E a morte, ao cumprir o seu destino de personagem, terá algo de purificador - como uma clarificação sublime dos desígnios da sua presença entre os vivos.
Mas esta é também uma história de amor: a história de Tonia e do seu companheiro Rosário, um inédito “Romeu e Julieta”.

Texto retirado do site da AIP

O filme ainda nem tinha chegado a Cannes e já estalava a polémica com Carlos Castro, autor de uma biografia de Ruth Bryden. O famoso cronista social lançou uma providência cautelar, acusando o realizador e a Rosa Filmes de plágio.

Queer Lisboa 13, programação

4 comentários:

pinguim disse...

Vou começar a fazer a minha programação; e vamos encontrar-nos por lá, decerto...

wind disse...

Parece um filme interessante.
Beijos

Paulo disse...

ver-nos-emos por lá!

abraço

S.M. disse...

Lá nos encontramos, claro. Pelo menos à abertura e a este fime não falto. Depois, tenho de ver o que conseguirei ver :)
Beijinh@s