domingo, 12 de abril de 2009

HÁ MAIS UMA ESTRELA NO CÉU


Acabo de saber pelo Felizes e pelo Pinguim da partida do Catatau. Confesso que foi um choque.
Há muito que sentia a falta dos seus comentários, sempre me interroguei como é que ele conseguia, quase sempre, ser o primeiro a comentar, e como eram sempre certeiros e pertinentes esses mesmos comentários. Não o vou poder abraçar no jantar deste ano e já sinto saudade.

Este foi daqueles que nunca esqueci:

"Olha, nem sabes a alegria que me dás!
Não, não é por quereres tirar um curso superior (que sim, pronto, ok, mas não é isso) - é por ser o curso que é!!! Vais gostar, acredita. E se não o conseguires fazer no tempo "regulamentar", demora o que quiseres. Saboreia-o.

(Se precisares de ajuda pede o meu contacto ao Pinguim. :) )"
8 de Maio de 2008 08:35


Aqui fica a minha homenagem nas palavras do Al Berto, penso que ele iria gostar.

"No centro da cidade, um grito. Nele morrerei, escrevendo o que a vida me deixar. E sei que cada palavra escrita é um dardo envenenado, tem a dimensão de um túmulo, e todos os teus gestos são uma sinalização em direcção à morte - embora seja sempre absurdo morrer.
Mas hoje, ainda longe daquele grito, sento-me na fímbria do mar. Medito no meu regresso. Possuo para sempre tudo o que perdi. E uma abelha pousa no azul do lí­rio, e no cardo que sobreviveu à geada. Penso em ti. Bebo, fumo, mantenho-me atento, absorto - aqui sentado, junto à janela fechada. Ouço-te ciciar amo-te pela primeira vez, e na ténue luminosidade que se recolhe ao horizonte acaba o corpo. Recolho o mel, guardo a alegria, e digo-te baixinho: «Apaga as estrelas, vem dormir comigo no esplendor da noite do mundo que nos foge»."

Al Berto, Lunário

Imagem: Starry Night - Van Gogh

6 comentários:

Lobinho disse...

Já falei várias vezes desse amigo que não conheci e de quem ja li algumas coisas que ele mesmo escrevia, o que parecia denotar uma ser humano rico e autêntico, mas geralmente apenas escrevia. "Onde há dor o chão é sagrado", parafraseando Oscar Wilde.

Infelizmente apenas podemos fazer homenagens, mas por certo ele estará bem agora. Por isso, é tempo de recuperar as cinzas, e por isso te deixo os votos de uma Páscoa Feliz.

Daniel

Special K disse...

Obrigado Lobinho Daniel, já tinha lido essa tua frase por outras paragens. "Decerto que ele estará bem agora", acredito que sim.
Um grande abraço e boa páscoa.

wind disse...

Não conhecia, lamento muito e fizeste uma bela homenagem com o Al Berto.
Beijos

Luis disse...

O poema que escolheste é lindo e de uma doçura iluminada que as palavras do Catatau também possuíam. É uma grande perda, sem a mínima dúvida!

pinguim disse...

Nem me apetece comentar, meu bom amigo; recordo-me de ele ter reforçado numa conversa comigo a sua satisfação por teres resolvido tirar o curso de História, o seu curso...
E como ele sabia e era um excelente profissional; deixou de leccionar quando de todo já lhe era impossível fazê-lo.
Honremos-lhe a memória...
Abraço amigo e sentido.

Paulo disse...

há partidas que são um grito. a do Catatau, ainda que previsível a partir de certa altura, foi um choque daqueles!
acho que a presença/ausência dele se sentirá com muita força no jantar deste ano...

abraço