segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

JÁ QUE ESTAMOS EM NOITE DE ÓSCARES: TRUE GRIT


Nestes dias entre semestres vou aproveitando para me vingar no cinema, desta feita, fui ver Indomável, o último trabalho dos irmãos Coen.
Em Indomável; True Grit no original, temos de novo os irmãos Coen no seu melhor: este é um western, e não deixa por isso de ser mais um dos fantásticos retratos de uma certa América profunda, sé é que isso realmente existe, já um pouco habituais na obra “Coeniana”. Esta é a velha América dos antigos westerns; aquela que foi construída com o colt e a carabina numa mão e a bíblia na outra. A América de Indomável, não é muito diferente de Este País Não é para Velhos (2007), de Irmão Onde Estás? (2000), Ou mesmo do formidável Fargo (1996).


Creio que não poderemos considerar Indomável como um remake de a Velha Raposa (1969), o clássico que rendeu a John Wayne (1907-1979), o único Óscar da sua carreira. Penso que o melhor termo que se poderá usar é; uma readaptação do romance de Charles Portis, desta vez com o cunho, muito próprio da versão dos Coen.


Nesta versão, o escolhido para o papel do velho Marshal, foi Jeff Bridges; o Grande Lebowski (1998), mais uma das grandes obras dos Coen, onde o actor brilhou como “The Dude”. Porém desta vez o “The Dude”, não quis calçar as botas do “Duke” (alcunha de John Wayne). O Rooster Cogburn de Bridges não deixa de ser o velho Marshal zarolho, rezingão e bebedolas, que tem a fama de perseguir implacavelmente o seu alvo. No entanto é um Cogburn com uma identidade própria, conferida pelo próprio Bridges e que lhe poderá muito bem render o Óscar deste ano. No entanto, como o Rooster de Wayne, não deixa de ser o velho durão de coração mole que decide ajudar Mattie Ross (Hailee Steinfeld), que apesar dos seus 15 anos é uma jovem determina a perseguir e vingar o assassino do pai. Aliás a empresa parece, logo à partida condenada ao fracasso; Chaney, o assassino (Josh Brolin) uniu-se ao bando de Ned Pepper um perigoso pistoleiro que eles vão ter que enfrentar, curiosamente, o actor Barry Pepper, é bastante parecido com Robert Duval o actor que interpretou o mesmo papel na versão de 1969. Para ajudá-los apenas podem contar com La Bouef (Matt Damon) um Texas Ranger que já persegue Chaney há algum tempo para o levar para o Texas onde há uma choruda recompensa pela sua captura.





Porém a verdadeira heroína é a jovem Mattie Ross, esperta e determinada, não se deixa enganar facilmente, conseguindo mesmo enrolar o habitual parceiro de negócios do seu pai e assim poder financiar a sua expedição. Apenas não percebo porque Hailee está nomeada para o prémio de Melhor Secundária quando na verdade é ela a grande protagonista e practicamente a única actriz feminina de realce, aliás é ela a Indomável do título, com uma excelente actuação a rivalizar com Bridges e um excelente Matt Damon, embora num papel mais apagado.

Este é mais um grande filme dos Coen, que mistura brilhantemente a violência com um certo humor bem típico das obras dos dois irmãos. De realçar a brilhante fotografia de Roger Deakins que capta na perfeição as velhas paisagens do velho Oeste, quase sentimos a nostalgia dos velhos filmes, então em Technicolor. Sempre achei que os westerns funcionavam melhor a cores.



ATENÇÃO: ESTA É A PARTE QUE NÃO DEVEM LER SE AINDA NÃO VIRAM O FILME. Ou podem lê-la por vossa conta e risco.
Este não é apenas mais um filme que vem fazer reviver o velho western, podemos dizer que é também um pouco a desconstrução do western clássico. Aqui o herói, é de facto uma heroína; determinada, teimosa, e que, apesar da sua jovem idade, não tem problemas em “bater o pé” e enfrentar os mais velhos. Facto a que não será alheio o facto de ser uma mulher a autora original do romance. Há nesta obra um bravo retrato do velho Oeste, dos grandes pistoleiros, da gabarolice de alguns. Mas há também na parte final uma nostalgia dos tempos do velho Oeste, quando vemos a “civilização” a chegar aos locais mais remotos, através do comboio, não restando outro remédio aos velhos pistoleiros, senão exibirem os seus dotes em circos e feiras. É esta desconstrução dos velhos mitos do velho Oeste com os novos tempos que joga a habitual ambivalência dos irmãos Coen. No final do filme não é o cowboy solitário que caminha em direcção ao pôr-do-sol, é a própria Mattie que caminha solitária em direcção à pradaria.

Um comentário:

pinguim disse...

Eu ainda vou ver...