quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

DIREITOS HUMANOS


No dia em que se celebram os 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, é bom recordar os muitos artigos que estão esquecidos.

Preâmbulo

Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;
Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos humanos conduziram a actos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração humanos;


Considerando que é essencial a protecção dos direitos humanos através de um regime de direito, para que o homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão;
Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações;

Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais humanos, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declararam resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla;

Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o respeito universal e efectivo dos direitos humanos e das liberdades fundamentais;
Considerando que uma concepção comum destes direitos e liberdades é da mais alta importância para dar plena satisfação a tal compromisso:
A Assembléia Geral proclama a presente Declaração Universal
dos Direitos humanos
como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo-a constantemente no espírito, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua aplicação universais e efectivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição.


DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS,pdf

6 comentários:

pinguim disse...

Acima de tudo é bom, muito bom mesmo, ver-te por aqui; já tinha saudades.
Abração.

nasgavetas disse...

Há quanto tempo não te lia.
Saudades!

Sem que tens passado naquele meu (nosso) espaço mas sem deixares uma palavra.

Doce beijo,
Lost

Maldonado disse...

Já estranhava a tua ausência...
Espero que esteja tudo bem contigo.
Quanto ao tema do post:
A Declaração Universal dos Direitos Humanos é muito bonita, mas está-se a tornar numa mera declaração de intenções, pois a maior parte dos países que fazem parte da ONU não a cumpre integralmente...
Oxalá que a humanidade evolua o suficiente para ver que o homem é o ser mais importante do mundo, pelo que os seus direitos devem ser sempre salvaguardados.

gitas disse...

Uma coisa são os Direitos, outra o que ainda existe.
Já tinha saudades tuas:)
Beijos

Socrates daSilva disse...

Os direitos humanos...
(é uma conversa que nos levava para longe!)

Olha, um abraço para ti que gostamos sempre de te ler!

amaciador disse...

É pena que sejam poucos os direitos do homem cumpridos em todo o mundo... mas pronto, é o que se pode arranjar...

By the way...
We’re back, with new posts!
«Dirt is Good»
Omo Team